Disciplina - Educação Física

Arte no Continente Africano

O continente africano é composto por culturas diferentes. Cada uma possui seu idioma próprio, tradições e formas artísticas distintas. O deserto do Saara atuou e atua como uma divisa natural entre o norte da África e o resto do continente. Há, ainda, troca culturais entre as duas zonas, que foram facilitadas pelas rotas de comércio que atravessam a África desde a Antiguidade. Os registros históricos e artísticos demonstram esse intercâmbio cultural. Assim, a arte africana é o resultado de um conjunto de manifestações artísticas produzidas por todos os povos da África ao longo da história, iniciando-se no período pré-histórico, nas formas mais antigas, que são as pinturas e gravações em pedra, na região do Saara.

Nesse continente, o objeto de arte é visto como funcional, criado para ser utilizado, ligado ao culto dos antepassados, sempre voltado ao espírito religioso e ao uso diário, como os ornamentos e tecidos.

A presença do tema da figura humana mostra a preocupação com os valores étnicos, morais e religiosos. Outros temas retratados refletem o cotidiano dos povos como, por exemplo, a religião, animais da floresta, cenas das tradições do povo.

No norte da África, predominam as características islâmica na arte, assim como a influência cultural e artística do Egito Antigo.

Atualmente, com o desenvolvimento dos transportes e das comunicações, várias formas de arte têm sido divulgadas por entre as diversas culturas africanas. As principais são:

Escultura

Máscara
Música

- Música Contemporânea na África do Sul
- Influências da Música Africana

Dança
Pintura

- Pintura Corporal
- Pintura Mural
- Pintura em Tela
- Influência da Arte Visual Africana

Arquitetura
Grafismo e Simbologia


A arte africana chegou ao Brasil com os escravos, que foram trazidos para cá pelos portugueses durante os períodos colonial e imperial. Chegando aqui, os elementos artísticos africanos fundiram-se com os indígenas e portugueses, para gerar uma nova arte, a afrobrasileira.


Escultura
As esculturas são modeladas em argila, terracota, ouro e bronze, porém a madeira é um dos materiais mais usados. As esculturas mais antigas são da cultura Nok (cerca de 500 a. C.), no território onde atualmente se encontra a Nigéria. Nos séculos XII e XIII, em Ifé, os artistas conseguiram atingir a perfeição na arte do retrato em barro cozido e em bronze. Essa técnica também foi passada para Benin. A habilidade técnica representou-se de forma tão naturalista que, acredita-se, inspirous a arte da Grécia Antiga.

Figura

Cabeça, provavelmente de um primitivo oni, de Ife, Nigéria.
Sécs. XIII - XIV. Bronze. Alt., 36 cm.

No centro leste do continente africano, a etnia Makonde, que vive no sudeste da Tanzânia e no norte de Moçambique, também se destaca com 200 anos de história. Suas esculturas são figurativas e retratam animais e seres humanos. São produzidas pelo próprio povo, que se utiliza de uma madeira preta, o ébano, localmente chamado de mpingo; a dureza, a durabilidade e a cor fazem essa madeira perfeita para esculpir. Alguns artistas, depois das peças prontas, passam graxa de sapato para dar maior brilho. Essa arte é tanto tradicional como contemporânea, refletindo o seu passado tribal e também a vida urbana, utilizando seus mitos como inspiração.

Ujamaa (família) Makonde. Escultor: Ntaluma
Escultura africana.
Ujamaa (família) Makonde. Escultor: Ntaluma

Estilo muito popular é o "Shetani", o qual representa árvores de famílias, mostrando a tradição da união familiar; são várias pessoas esculpidas em um só pedaço de madeira.


Detalhe de uma escultura africana.
Detalhe de uma escultura Makonde, no estilo "Shetani"
(várias pessoas esculpidas em um só pedaço de madeira, mostrando a união familiar).


Escultor africano Ntaluma.
Ntaluma é um escultor moçambicano que nasceu em Nanhagaia,
distrito de Nangade, província de Cabo Delgado, Moçambique, em 1959.
ícone para voltar ao topo Voltar ao topo

Máscara
As máscaras são as formas mais conhecidas da arte africana. Representa a soma de elementos símbólicos e místicos, usadas em rituais e funerais. Os africanos acreditam no poder da absorção das forças mágicas dos espíritos, obtendo a cura de doentes, entre outras coisas.

As máscaras são criadas a partir do barro, marfim, metais, mas o material mais utilizado é a madeira. São confeccionadas em segredo na selva, para conseguir o estabelecimento da purificação e da ligação com a entidade sagrada.


Máscara africana de madeira e ráfia.
Máscara - casco chokwe (Angola). Data ignorada.
Material: madeira, rafia, fibras. Dimensões: 32x32 cm.


Máscara africana de marfim.
Máscara Pingente de Benin, Nigéria.
Provavelmente séc. XVI. Marfim. Alt., 19 cm. Metropolitan Museum of Art.

As máscaras e cabeças da África Ocidental são obras-primas da arte negra e exibem uma enorme variedade criativa. O contraste entre as máscaras simbólica e formal e a famosa escultura de Ife (Cabeça, provavelmente de um primitivo oni, de Ife, Nigéria.Sécs. XIII - XIV. Bronze. Alt., 36 cm), talvez se deva às influências mediterrâneas.


Música
É impossível uma descrição geral da chamada música africana, devido à quantidade e à variedade de expressões. No entanto, existem semelhanças regionais entre grupos desiguais, assim como as tendências que são constantes ao longo de todo o continente africano.

Para facilitar a compreensão das múltiplas expressões musicais, conforme os ritos e costumes de cada povo,
apresenta-se aqui duas das diferentes variações:

I - Os Pigmeus da África Central, conhecidos dos ocidentais pela sua estatura, são caçadores-colecionadores e constroem suas habitações desde os tempos remotos, em florestas tropicais densas e chuvosas. Na República da África Central, os Pigmeus Ba-Benjellé é um clã da tribo Pigmeia Aka.

Na cerimônia para Ejengi, o mais famoso de todos os espíritos da natureza, onde aparece a arte da pintura corporal fosforescente, a música consiste no canto das mulheres acompanhada das percussões que conduzem dias e dias de danças.


Grupo de pigmeus na África.
Pigmeus, integrantes de etnia com estatura inferior a 1,50 m,
que vivem em alguns países da África.

II - O Estado independente da Eritreia, localiza-se ao norte da Etiópia do leste do continente africano. Possui quatro milhões de habitantes, dentre os quais compreendem nove grupos étnicos distintos, cada um com a sua própria cultura e música.

Os Rashaidas são um pequeno grupo de nómades de língua árabe que vivem no noroeste do deserto da Eritreia, que transportam facilmente as tendas, enquanto viajam nos seus camelos. São muçulmanos radicais de profundas convicções religiosas. Tradicionalmente, criam camelos em pequenas pastagens junto dos oásis. Sua música consiste em canções acompanhadas por palmas e bater de pés, substituindo as percussões.


Mulher do grupo nômade Rashaida na África.
Os Rashaidas possuem seu próprio estilo de dança,
com as mulheres ostentando véus multicoloridos e máscaras decoradas chamadas "Arusi".


Música contemporânea na África do sul
Há uma grande diversidade na música da África do Sul. Muitas músicas são adaptadas aos estilos europeus e divulgadas em inglês, uma das línguas faladas no país. Porém, alguns grupos musicais costumam manter os ritmos do país, bem como a língua de sua cultura, o africanês. O estilo mais conhecido é o kwaito, desenvolvido durante o apartheid quando muitos músicos negros cantavam em inglês, passaram a cantar em línguas africanas tradicionais, hoje preservado por vários músicos, como o Quarteto de Cordas Soweto que executa música clássica com "ginga" africana.

Na África do Sul é realizado o Cape Town Away (distante Cidade do Cabo), um festival internacional de jazz, que acontece desde o ano de 2000.


Soweto Quarteto de Cordas da África do Sul.
O Quarteto de Cordas Soweto executa música clássica com "ginga" africana.


Influências da Música Africana
Babatunde Olatunji nasceu a 7 de Abril de 1927 em Ajido, Lagos, na Nigéria, e morreu a 6 de Abril de 2003, nos Estados Unidos. E foi nos Estados Unidos que ele passou a principal parte de sua carreira, iniciada nos anos 50, quando fez amizade com um dos maiores gênios do jazz, John Coltrane, e com o A&R John Hammond, da Columbia Records, editora para a qual começou a gravar em 1957 (o seu álbum «Drums of Passion» é um clássico).

Babatunde fundou o Olatunji Center for African Culture, em Harlem, Nova Iorque, e foi o guru de inúmeros bateristas, percussionistas e outros músicos (de Bob Dylan a Santana, de Mickey Hart a Airto Moreira, de Quincy Jones a Stevie Wonder, de Max Roach a Muruga Booker), Olatunji foi também um activista dos direitos civis nos EUA, ao lado de Martin Luther King e, depois, de Malcolm X.


Foto de musico africano.
Babatunde Olatunji nasceu a 7 de Abril de 1927 em Ajido, Lagos, na Nigéria,
e morreu a 6 de Abril de 2003, nos Estados Unidos da América.
Mito da música africana e do que a música africana tem de mais ancestral, as percussões.


Dança
Nas danças africanas, há o hábito de se ter os pés nus em contato direto com a terra, com o intuito de absorver as energias deste lugar. Cada parte do corpo movimenta-se com um ritmo diferente. O corpo pode ser comparado a uma orquestra que, tocando vários instrumentos, harmoniza-os num único som. Entre as danças, destacam-se: lundu, batuque, ijexá, capoeira, coco, congadas e jongo.


Imagem de tribo africana dançando.
Grupo de mulheres africanas dançando.



Pintura Corporal
Dentre as pintura corporais, aqui são citadas as composições elaboradas pelos membros das tribos Surma e Mursi, localizadas no vale leste da África Omo. São coloridas de amarelos, brancos e vermelho terra, misturadas com gravetos, palhas, flores exóticas e folhas. Para os membros destas tribos, uma folha, uma flor, ou raíz, são facilmente transformadas em acessórios e depois enaltecida com as pinturas corporais, que são feitas de pigmentos extraídos de pedras em pó, plantas, frutos e barro.


Pintura corporal de uma tribo do continente africano.
Foi fazendo inúmeras viagens, que o fotógrafo Hans Silvesters registrou a beleza das
tribos Surma e Mursi. As fotos foram reunidas pelo fotógrafo no livro Natural Fashion
(Moda Natural, em tradução livre), lançado pela editora Thames & Hudson.


Pintura Mural
Os Ndebele é uma das menores tribos da África do Sul, o termo Ndebele se refere a um grupo étnico disperso entre o Zimbábue e a província de Transvaal a nordeste de Pretória. Ao contrário de muitas outras tribos da África do Sul, conseguiram preservar as suas tradições ancestrais ao longo dos séculos. São chamados de “povo artista” por fazerem colares e ornamentos coloridíssimos de miçangas.


Pintura de uma mulher africana com muitos colares.
As mulheres lembram as "mulheres girafa" da Tailândia,
pois usam colares em forma de aro no pescoço, bem como nas pernas e braços.


Vestimenta das mulheres de uma tribo sulafricana.
Fundo: Pintura Mural.
As mulheres andam com cobertores coloridíssimos amarrados nas costas.

Apesar de ser uma sociedade patriarcal, a herança artística é passada de mães para filhas, são transmitidos os padrões tradicionais dos Ndebele. No século XIX esta tradição alargou-se dos têxteis às pinturas murais decorativas que são também executadas apenas pelas mulheres Ndebele.

As pinturas das casas deste povo, sejam redondas (parecendo ocas) ou quadradas, sempre com teto de palha, expressam-se através das cores gráficas e dos desenhos geométricos coloridíssimos. Os utensílios e adornos que as mulheres usam, possuem significado religioso e místico.


Pintura mural nas casas de tribos sulafricanas.
Pintura Mural.
Desenhos geométricos coloridíssimos nas fachadas das casas, sempre com o teto de palha.

A técnica ancestral (à mão livre, com linhas e ângulos geométricos coloridos) de pintar os muros das residências, já viajou o mundo. A pintura das fachadas e muros das casas é um privilégio exclusivo das mulheres Ndebele. A pintura é a forte expressão individual da identidade das mulheres e o que diferencia uma mulher das outras é o estilo da pintura, o motivo, a composição e a escolha das cores. Existem dois tipos de pintura: o tradicional (ikghuphu), que usa padrões geométricos, e muitas vezes uma camada superficial de barro misturado com fezes de gado, onde com os dedos elas desenham linhas verticais, horizontais e diagonais; e o moderno, que utiliza tintas industriais e um design mais complexo, além de elementos abstratos e figurativos.

A arte para os Ndebele, como para a maioria dos povos africanos, tem um significado mágico-religioso e um caráter cerimonial. Pelo motivo dessa arte possuir preocupações óbvias com a estética em si e estarem expostas em murais, questiona-se o caráter utilitarista dado à ela pelos ocidentais.

Pintura em tela
A Artista sul-africana Esther Mahlangu de 75 anos, nascida em 1935, pertence à comunidade Ndebele de Gauteng, a norte de Pretoria. Pioneira em colocar as cores e formas Ndebele em telas. Desenha à mão livre, sem medições ou esboços utilizando tintas brilhantes. À primeira vista puramente abstractas, as composições são construídas com base num complexo sistema de sinais e símbolos. A sua arte é fortemente marcada pelo estilo original de sua tribo localizada na África do Sul, que emprega pinturas especiais nas paredes através de formas geométricas e multicoloridas, além de trajes confeccionados a partir de miçangas.

Em 1989, quando tinha 55 anos, foi a primeira mulher de sua tribo a cruzar o oceano, a transpôr os murais para telas e levar as convenções do seu trabalho a um público mais vasto. Isso aconteceu, porque viajou até Paris para criar os murais da exposição "Magiciens de la Terre", e recebeu encomendas de trabalhos para museus e outros edifícios públicos como o Civic Theater de Johannesburgo, para a BMW, entre outras.

Conquistou a Europa com sua pintura colorida e logo caiu nas graças de gente como Andy Warhol, Alexander Calder e Frank Stella. Mais recentemente, a BMW encomendou um carro customizado com os motivos geométricos típicos dos Ndebele.

No Brasil, os Ndebele já ficaram conhecidos através da revista MAG! África Pop (lançada em junho de 2006) e do estilista Alexandre Herchcovitch, que dedicou uma coleção inteira ao assunto através de releituras pop das estampas. Na ocasião, Herchcovitch firmou parceria com a Melissa e desenvolveu um modelo de sandália inspirado na tribo.

Influência da Arte Visual Africana
A diversidade existente na arte africana é objeto de inspiração para muitos movimentos artísticos contemporâneos da América e da Europa. Artistas do século XX, admiraram o abstracionismo e o naturalismo dessa arte. Pablo Picasso (1881 -1973) nunca foi á Africa, no entanto produziu obras como máscaras e esculturas com clara influência da arte africana. Picasso, por volta de 1905, tomou conhecimento da arte africana e aí surgiu nitidamente a inspiração para o movimento cubista.

Com o desenvolvimento das escolas de arte e arquitetura nas cidades africanas, os artistas contemporâneos são incentivados a trabalhar com novos meios, tais como cimento, óleo, pedras, alumínio.
Recomendar esta página via e-mail: